quarta-feira, 25 de março de 2009

Manhã Idosa



Aguardei junto ao último apeadeiro do teu corpo.
Trazias a madrugada sulfúrica
deslumbrada de feridas,
apenas o olhar primaveril
salivava poeiras perfumadas.

Era Inverno no teu rosto,
os lábios maquilhados de cardos
indagavam raiva nas pálpebras lodosas.
O desejo alcatroado tremia-te
no asfalto sanguíneo.

Quis saber se escondias Verão no discernimento,
mas embalavas já no fulvo nebuloso do equívoco.
Deixaste-me tresloucado de rugas,
sedado no amanhecer.

Sou uma manhã idosa,
bolorenta de te sonhar
e acendo fungos em todas as margens de ti.
Nada sabe negar a evidência,
tenho a alma transladada de corvos pretos
a debicar orgasmos apodrecidos.

1 comentário:

Eliane disse...

"Quis saber se escondias Verão no discernimento,
mas embalavas já no fulvo nebuloso do equívoco."...muito forte a imagem que sugere, gosto muito desse verso.
Um beijo Alberto.
Eliane

Via muliply